BLOCO CIDADANIA

RESISTÊNCIA

Dezembro 2010               Índice Geral do BLOCO CIDADANIA


19/12/10

• O papel das oposições (8): A Síndrome da Mulher de Lot - por Nivaldo Cordeiro


Os "posts" desta série  estão colecionados aqui: O papel das oposições

Nota de Helio Rosa
Nivaldo Cordeiro: "Quem sou eu? Sou cristão, liberal e democrata. Abomino todas as formas de tiranias e de coletivismos. Acredito que a Verdade veio com a Revelação e que a vida é uma totalidade, não podendo ser cindida em departamentos estanques. Abomino qualquer intervenção do Estado na vida das pessoas e na economia, além do imprescindível para manter a ordem pública. Acredito que a liberdade é um bem que se conquista cotidianamente, pelo esforço individual, e que os seus inimigos estão sempre a postos para destruí-la. Preservá-la é manter-se vigilante e sempre disposto a lutar, a combater o bom combate. Acredito que riqueza e prosperidade só podem vir mediante o esforço individual de trabalhar. Fora disso, é sair do bom caminho, é mergulhar na escuridão da mentira e das falsas promessas."
Digo como o grande Ortega y Gasset: "Dou o que tenho; que outros, capazes de fazer mais, façam o seu mais, como eu faço o meu menos".

Fonte: Nivaldo Cordeiro, um expectador engajado
[17/12/10]  A Síndrome da Mulher de Lot - por Nivaldo Cordeiro

“Quem há de chorar por essa mulher?
Não é insignificante demais para que a lamentem?
E, no entanto, meu coração nunca esquecerá
quem deu a própria vida por um único olhar”.
Anna Akhmátova

As forças que de fato estão na oposição no Brasil, os liberais e conservadores, estão em sua maior parte fora dos partidos políticos oficiais. Estão dispersas e são minoritárias porque não estão unidas. Elas é que representam a alma coletiva brasileira, apegada que é aos valores tradicionais e à ética liberal-conservadora. A revolução gramsciana em cinqüenta anos conseguiu distorcer a burocracia estatal e os partidos políticos, de tal sorte que a chamada direita foi expulsa do debate político e da representação.

Um enigma está colocado para os cientistas políticos: como interpretar o elenco de forças que controla o Parlamento e os poderes executivos nas diferentes esferas de governo? Eu tenho me empenhado para mostrar que a teoria de Voegelin sobre o movimento revolucionário pode perfeitamente bem ser aplicada ao Brasil. Voegelin mostrou que as forças revolucionárias normalmente são compostas por dois pólos. De um lado, os jacobinos, que puxam o processo e mais das vezes triunfam. Na esteira da sua vitória vem o caos, porque a mente revolucionária não tem como se adequar ao real. Foi assim na Revolução Francesa, na Russa e em toda parte. Então surge o outro pólo, “conservador”, que põe ordem ao caos sem, todavia, perder a sua condição de membro da revolução.

No Brasil os jacobinos estão no PT e nas tendências à esquerda do PT, que clamam pela imediata implantação do “verdadeiro” socialismo. Essas forças auxiliares são o PSOL, o PCdoB e assemelhados. Têm a urgência dos jacobinos e a radicalidade dos puros revolucionários. O pólo conservador está concentrado no PSDB e no PMDB, as instâncias que, nascidas da mesma mente revolucionária, não perderam de todo o princípio de realidade e funcionam como freio para que a esquizofrenia jacobina não jogue o país no caos e na guerra civil.

É da mais absoluta importância compreender a dialética estabelecida entre os dois grupos políticos para que os opositores dispersos saibam o que estão fazendo. Apoiar José Serra na recente eleição presidencial era a única opção racional, mesmo que saibamos que ele mesmo nasceu do movimento revolucionário e que, em algumas teses, está à esquerda de Lula. Da mesma forma, foi essencial que houvesse segundo turno, sob pena dos jacobinos sentirem-se fortalecidos para o salto final da sua aventura revolucionária.

Eleger Geraldo Alckmin em São Paulo teve a mesma importância. Na verdade, os opositores precisam fazer movimentos defensivos para não deixar o Brasil mergulhar no caos, mas sem ter ilusão de que a ala social-democrata seja alguma forma de redenção. Não é. Ela é apenas um freio para que alguma forma de ordem prevaleça e a vida prática não seja inviabilizada pelas tolices políticas tornadas força de lei.

Aqueles conservadores que olham o passado revolucionário de gente como Fernando Henrique Cardoso, José Serra e quejandos e apontam o dedo dizendo que são iguais ao PT estão desesperadamente errados, porque sofrem o que chamo de “síndrome da mulher de Lot”, só olham para o tempo passado. É preciso agir politicamente olhando para frente. Como nos conta o Gênesis, a mulher de Lot foi petrificada em uma estátua de sal por olhar para trás, contrariando ordens expressas de Deus. O que importa é o devir.

Objetivamente o PT e o PSDB diferem grandemente, dentro das suas semelhanças. O PSDB não tem o ímpeto mudancista e contrário ao direito natural como tem o PT. Basta ver os temas salientados na última campanha eleitoral, como o da liberdade de imprensa, do aborto, das relações internacionais. O equilíbrio político que emergiu das eleições não permitirá o PT avançar na agenda transformadora. Não tem maioria no Senado e não tem os governos dos principais estados federados, como Minas Gerais e São Paulo.

Esse equilíbrio permitirá que as verdadeiras forças de oposição tenham tempo para se organizar e produzir a ciência política necessária para se tornar uma verdadeira alternativa de poder. Sem esse equilibro entre os pólos opostos do movimento revolucionário o Brasil poderia facilmente cair no caos de triste memória, em todos os lugares em que os jacobinos não tiveram um freio para suas alucinações políticas. Melhor que seja assim.


Comentários com nome completo do remetente devem ser enviados para Helio Rosa, coordenador deste BLOCO. Não há compromisso de publicação.


 [Procure "posts" antigos e novos sobre este tema no Índice Geral do BLOCO CIDADANIA            WirelessBrasil