WirelessBRASIL - Bloco RESISTÊNCIA

Março 2012             


19/03/12

• 19 de março de 1964: o dia que as mulheres do Brasil abalaram o Kremlin

Fonte: Brasil acima de tudo - Origem: Observatório de Inteligência
[19/03/08]   19 de março de 1964: o dia que as mulheres do Brasil abalaram o Kremlin - por Orion Alencastro

Em um sinistro prédio de Moscou, o empoeirado depósito dos arquivos da ex-KGB guarda a pasta da informação levada ao conhecimento do primeiro-ministro e secretário do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), Nikita Sergeyvitch Khruchtchev: nas primeiras horas do dia 20 de março de l964, vindo do Brasil, era dado a conhecer o pedido da derrubada do governo do Brasil, por milhares de brasileiros.

Diante do quadro político e ameaçador das instituições democráticas brasileiras, irmã Ana Lurdes, na sua inspiração relilgiosa e iluminada por Deus, concebeu a sábia celebração de uma marcha, segundo ela "um ato de fé num momento de trevas". Assim nasceu a denominada Marcha da Família com Deus pela Liberdade.
Aquela informação fôra transmitida através dos telex criptográficos do escritório comercial da Rússia, em São Paulo, e do Consulado da República Democrática Alemã (RDA), pelos agentes secretos russos que, na tarde do dia 19 de março, assistiram impressionados a Marcha da Família com Deus pela Liberdade, na capital de São Paulo.

A notícia do evento histórico que se espalhou pelo mundo afora dava conta de uma manifestação organizada e pacífica, com a participação de 600 mil pessoas, a maioria mulheres paulistas, além de trabalhadores, religiosos, estudantes, intelectuais, jornalistas, veteranos de guerra, empresários, funcionários públicos e entidades cívicas, maçônicas e de serviços. Vindas do interior e da zona metropolitana, se concentraram em praças centrais, se uniram e ,em coro, marcharam até a praça da Sé, diante da Catedral de São Paulo.

Nas escadarias do templo católico, líderes organizadores da marcha e populares protestaram contra o governo esquerdista da República, denunciando a corrupção, a desordem social dos movimentos grevistas, o desrespeito à propriedade privada e as idéias políticas de ameaça às liberdades e à destruição da democracia no Brasil.

Papa Paulo IV despertou com a boa nova

A Secretaria de Estado do Vaticano, devidamente informada pela nunciatura apostólica em Brasilia, comunicou o fato ao Papa Paulo IV, já bastante preocupado com a penetração ideológica comunista e os rumos incertos da América Latina.

A avaliação dos Serviços Secretos

Serviços de inteligência dos EUA e da Europa estimaram que a manifestação do povo em São Paulo era um sinal de que as pretensões de conduzir o Brasil para a órbita da URSS, seguindo Cuba, seria muito dificil. O clima de resistência ao governo João Goulart, em evolução nos principais centros metropolitanos - Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo - era o prenúncio de que as forças armadas deveriam surpreender e se posicionar em favor do sentimento nacional de repúdio ao governo, pois a imprensa alertava a sociedade e alardeava os riscos políticos contra a democracia.

Mulheres em Marcha

As imprensas brasileira e internacional da época registraram em suas páginas os inquietantes fatos conjunturais da política, dando destaque à impressionante manifestação da Marcha da Família com Deus pela Liberdade, idealizada por uma simples religiosa, irmã Ana de Lurdes, neta do paladino de todas as liberdades, Ruy Barbosa, e que contagiou as mulheres de São Paulo e do país.

"A marcha foi uma reação à baderna que estava tomando conta do país. Não podíamos deixar as coisas continuarem do jeito que estavam, sob o risco de os comunistas tomarem o poder", conforme declaração de Maria Paula Caetano da Silva, fundadora da União Cívica Feminina.

A mulher brasileira derrotou o Kremlin e o PCB

Quando o Kremlin recebeu a informação, o secretário do PCB soviético pôde avaliar com seus colaboradores a dificuldade em conquistar o Brasil, principalmente pela força de mobilização de suas mulheres, da cultura católica e religiosidade do povo brasileiro e das forças armadas eminentemente cristãs.

No dia 10 de janeiro daquele ano, Luiz Carlos Prestes, secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro (PCB) foi a Moscou atualizar Nikita sobre o desenvolvimento dos planos que conduziriam o seu país para a órbita soviética. Nikita foi informado de que "os comunistas brasileiros estavam conduzindo os setores estratégicos do governo federal e se preparavam para a tomada do poder".

A bem da verdade, Prestes subestimou as possibilidades de reação da sociedade brasileira e avaliou mal o mosaico de poder estruturado com o PCB dentro do Governo João Goulart, inclusive com os generais do povo e a estratégia aliada de Leonel Brizola, Governador do Rio Grande do Sul, cunhado do presidente, tudo com apoio financeiro de Fidel Castro para a sovietização do Brasil.

Projetava-se a República Sindical Socialista do Brasil, fato bastante conotativo com o que se passa no país hoje, sob os ensaios tirânicos do seu presidente, Luiz Inácio da Silva. Em 31 de março de l964, iniciou-se a sucessão de fatos que livraria o país do comunismo e que contribuiu para ruir as pretensões soviéticas na América Latina .

A poderosa URSS se fragmentou na comprovação do tempo de que o comunismo escravagista foi um imperdoável engano contra a liberdade do homem sobre o planeta Terra.

Em decorrência da Marcha da Família com Deus pela Liberdade e para desmistificar a zombaria da esquerda e a sua ação subterrânea inconformada com a vitória da contra-revolução que garantiu a vitória da democracia no Brasil, é saudável avivar o coração e a alma dos brasileiros para se conscientizarem das ameaças da hora presente, com o sempre atual decálogo dos anos sessenta.

-----------------------------------

 Decálogo de defesa da nação brasileira

SE...

I - Crer em Deus, amar a Pátria, sustentar o princípio da Família,

II - Pugnar pela soberania financeira da Nação, lutando pela liberdade do Brasil e dos brasileiros das garras do capitalismo internacional,

III - Combater o comunismo materialista,

IV - Incutir no espírito das novas gerações a imagem de um Brasil grande, forte, respeitado, potência internacional, e para isso elevar o nível cultural da juventude, arrancando-a da descrença, do ceticismo, cosmopolitismo, das idéias dissolventes,

V - Criar na consciência brasileira um novo espírito de confiança nas forças da raça, nas energias de um povo, nas tradições históricas, dando às novas gerações um sentido de afirmação corajosa a de expansão da Pátria,

VI - Lutar pela justiça social: o amparo às nossas populações pobres e desprotegidas, um padrão de vida mais elevado para o infeliz caboclo brasileiro, a solução do problema do menor abandonado,

VII - Promover a cultura geral do povo,

VIII - Ensinar a doutrina da ordem, do princípio da autoridade, da harmonia entre todas as classes, da solidariedade entre os filhos de uma mesma Nação, da perfeita disciplina de cada um nos ramos de atividade civil ou militar em que se empregar,

IX - Combater o cosmopolitismo, o esnobismo, o sensualismo, o sexualismo desenfreado (hoje valorizados e difundidos pelos meios de comunicação, mormente a televisão, o cinema , o teatro - e internet), o alcoolismo, os tóxicos, todos os vícios enfim, em nome das energias de uma raça e dos direitos sagrados de um povo,

X - Dizer ao menino, à menina, ao moço, à moça: sejam bons filhos e bons irmãos; ao homem: seja bom esposo e bom pai; à mulher: seja boa esposa e boa mãe; ao cidadão: ame o Brasil e se sacrifique por ele; a todos: façamos a grandeza moral, intelectual e material da Pátria brasileira, livrando-a dos agentes da desordem e da destruição,

...é ser de direita, vamos proclamar bem alto: "SOMOS DE DIREITA"