BLOCO CIDADANIA

RESISTÊNCIA

Dezembro 2011               Índice Geral do BLOCO CIDADANIA


03/12/11

• Ninguém me contou! Eu estava lá! Meninos eu vi! E sobrevivi! - Aeroporto de Guararapes, 1966 - As fotos do Terror

Nota de Helio Rosa:
Em maio completei 70 anos. Meninos, eu vi... vi muita coisa neste país...
Em 1966 eu vi o atentado terrorista no Aeroporto dos Guararapes e estava tão perto da bomba que meus cabelos ficaram tostados pelo calor da explosão. Fui salvo pois no exato momento da detonação havia uma coluna que, apesar de muito fina, proporcionou-me uma "sombra" de proteção.
Impossível descrever a som da explosão, a fumaça, os gritos de susto e de dor, o cheiro de carne queimada, o chão banhado de sangue, as entranhas expostas...quem viu, não esquece nunca o que é um ato terrorista, que não visa um alvo, mas simplesmente ferir e matar indiscriminadamente.
Abaixo estão algumas fotos do Aeroporto do Guararapes, imediatamente após a explosão.
Logo após o texto encontrado no "Orvil", que considero a
"Comissão da Verdade" do Exército que assombra a esquerda brasileira.
HR


Foto 01 - A Ten Cel Sylvio Ferreira da Silva aguardando socorro


Foto 02 - Destruição no saguão

 


Foto 03 -O corpo do Almirante Gomes Fernandes sendo retirado do local
 


Foto 04 -O Guarda Civil Tomaz de Aquino em estado de choque e mutilado



Foto 05 - O jornalista Regis de Carvalho não resistiu aos ferimentos
 


Foto 06 - Solidariedade com os feridos

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fonte: Orvil
http://www.wirelessbrasil.org/orvil/

A VIOLÊNCIA EM TRÊS ATOS

"Vós não os vereis mais, porque os vindouros serão muito mais violentos, odiosos, vingativos.(1)

1. Primeiro ato

O público e as autoridades já estavam reunidos no Parque 13 de Maio, aguardando o início das comemorações que seriam levadas a cabo, partir das 9 horas daquela manhã do último dia de março. Um grupo de estudantes retardatários, com seu alarido habitual, andava apressado em direção ao Parque. Nisso, essas milhares de pessoas foram surpreendidas com violenta explosão, seguida de espessa nuvem de fumaça que envolveu o prédio dos Correios e Telégrafos de Recife.

Passados os primeiros momentos, quando a fumaça se esvaiu, os relógios registravam 8 horas e 47 minutos. Já podiam ser vistos, na parte externa do prédio, manchas negras, buracos e falhas de onde havia se desprendido o reboco, tal a violência da explosão. A enorme vidraça do sexto andar do edifício havia se estilhaçado com o deslocamento de ar provocado pelo petardo de alto teor.

Estava perpetrado o primeiro atentado terrorista da capital pernambucana.

Ao mesmo tempo, uma segunda explosão atingiu a residência do comandante IV Exército. Mais tarde, foi encontrada uma terceira bomba, falhada, num vaso de flores da Câmara Municipal de Recife, onde havia sido realizada uma sessão solene em comemoração ao segundo aniversário' da Revolução de 31 de Março. Esta bomba falhada deveria estar sendo vista como um parcial fracasso no planejamento terrorista.

Para corrigi-lo, em 20 de maio de 1966, 50 dias após esse ensaio geral, foram lançados dois coquetéis "molotov" e um petardo de dinamite contra os portões da Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco.

As autoridades, desconcertadas, buscavam os autores dos atos terroristas, sem sucesso. O Governo não dispunha de órgãos estruturados para um eficiente combate ao terrorismo. A Nação, estarrecida, vislumbrava tempos difíceis que estariam por vir.

Em 25 de julho de 1966, nova série de três bombas, com as mesmas características das anteriores, sacode Recife. Uma, na sede da União dos Estudantes de Pernambuco (UEP), ferindo, com escoriações e queimaduras no rosto e nas mãos, o civil José Leite. Outra, nos escritórios do Serviço de Informações dos Estados Unidos (USIS), causando, apenas, danos materiais. A terceira bomba, entretanto, acarretando vítimas fatais, passou a ser o marco balizador do início da luta terrorista no Brasil.

Na manhã desse dia, o Marechal Costa e Silva, candidato à Presidência da República, era esperado por cerca de 300 pessoas que lotavam a estação de passageiros do Aeroporto Internacional dos Guararapes. Ás 8,30 horas, poucos minutos antes da chegada do Marechal, o serviço de som anunciou que, em virtude de pane no avião, ele estava se deslocando por via terrestre, de João Pessoa até Recife, indo diretamente para o prédio da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE). Esse comunicado provocou o início da retirada do público.

O guarda-civil Sebastião Tomaz de Aquino, o "Paraíba", outrora popular jogador de futebol do Santa Cruz, percebeu que uma maleta escura estava abandonada junto à livraria "SODILER", localizada no 'saguão do aeroporto. Julgando que alguém a havia esquecido, pegou-a para entregá-la no balcão do Departamento de Aviação Civil (DAC). Ocorreu uma forte explosão. O som ampliado pelo recinto, a 'fumaça, os estragos produzidos e os gemidos dos feridos provocaram o pânico e a correria do público. Passados os momentos de pavor, o ato terrorista mostrou um trágico saldo de 15 vitimas.

Morreram o jornalista Edson Régis de Carvalho, casado e pai de cinco filhos, com um rombo no abdômen, e o Almirante reformado Nelson Passos Fernandes, com o crânio esfacelado, deixando viúva e um filho menor. O guarda-civil "Paraíba" sofreu ferimento lácero-contuso no frontal e no maxilar, no membro inferior esquerdo e na coxa direita, com exposição óssea, e que resultou na amputação de sua perna direita. O então Tenente-Coronel do Exército Sylvio Ferreira da Silva sofreu amputação traumática dos dedos da mão esquerda, fratura exposta no ombro do mesmo lado, lesões graves na coxa e queimaduras de primeiro e segundo graus.

Ficaram, ainda, gravemente feridos os advogados Haroldo Collares da Cunha Barreto e Antonio Pedro Morais da Cunha, os funcionários públicos Fernando Ferreira Raposo e Ivancir de Castro, os estudantes José Oliveira Silvestre e Amaro Duarte Dias, a professora Anita Ferreira de Carvalho, a comerciária Idalina Maia, o guarda-civil José Severino Pessoa Barreto, além de Eunice Gomes de Barros e seu filho, Roberto Gomes de Barros, de apenas 6 anos de idade.

O acaso, transferindo o local da chegada do futuro Presidente, impediu que a tragédia fosse maior. O terrorismo indiscriminado, atingindo pessoas inocentes, inclusive mulheres e crianças, mostrou a frieza e fanatismo de seus executores.

Naquela época, em Recife, apenas uma organização subversiva, o Partido Comunista Revolucionário (PCR), defendia a luta armada como forma de tomada do poder. Entretanto os inquéritos abertos nunca conseguiram provas para apontar os autores dos atentados. Dois militantes comunistas, então indiciados, vivem, hoje, no Brasil. Um é professor do Departamento de Engenharia Elétrica de uma Universidade Federal. O outro, ex-candidato a Deputado Estadual, trabalhava, em 1985, como engenheiro da prefeitura de São Paulo.


(1) Expressão do jornalista Eduardo Drummond, ao ler os historiadores que pintaram os horrores praticados pelos líderes da Comuna de Paris.
 

Comentários com nome completo do remetente devem ser enviados para Helio Rosa, coordenador deste BLOCO. Não há compromisso de publicação.


 [Procure "posts" antigos e novos sobre este tema no Índice Geral do BLOCO CIDADANIA            WirelessBrasil